quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Gantz & Commodo assinam MEDI090


365 dias depois 2015 chega ao fim em beleza, influenciado pela força dos "signos" de Gantz & Commodo e com ascendência em bass. 

Editado pela Deep Medi de Mala, MEDI090 é mais do que um simples lançamento de remixes ou troca de galhardetes, é acima de tudo uma afirmação de talento e originalidade Straight outta Istanbul via Sheffield.


terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Caspa lança 500 Remixes


O inglês Caspa, ira colocar a venda no próximo dia 31 de Dezembro, um Ep de remisturas das faixas do seu ultimo trabalho original "500".


Lançado pela Dub Police, "500 Remixes" conta com 4 remisturas que ficaram a cargo de Youngsta, 50 Carrot, King Yoof, EDGEM e um tema original "Barcode Dreams" assinado por Caspa.


domingo, 27 de dezembro de 2015

Knowledge 238 - It's Bass Up North



"Aquele que não tem inclinação para aprender mais, será capaz de pensar que sabe bastante." (Powell) 

No capitulo desta semana do Knowledge temos o documentario "It's a Bass Up North".



sábado, 26 de dezembro de 2015

Nv 130 - JFO


Após uma pequena incursão pela Finlândia, aproveitamos a época natalícia para dar um salto até "casa" e descobrir o que de novo há na área, sendo que um dos nomes que nos tem chegado mais aos ouvidos nos últimos tempos é JFO

Natural de Manchester, JFO é um jovem produtor de Grime, que tem vindo a causar burburinho devido as suas produções carregadas de carisma e que para o qual perspectivamos um futuro excelente.




sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

7 Dias 7 vozes - 2015


Como sempre o tempo passa a voar, e num abrir e fechar de olhos, já estamos na recta final de 2015.

Este ano e para fechar o ano em beleza, decidimos convidar 7 membros da família do bass nacional, a dar-nos o seu feedback e a fazer um balanço sobre o universo dos 140 bpm's neste ano que esta agora a findar.


Os nossos primeiros convidados são o pessoal da RealRoots

Take a step to Dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar? 

RealRoots - Este ano foi um excelente ano para o universo da bass music, muitos nomes a surgir na cena com uma qualidade de produção acima da média, novas labels a surgir e a apostar em novos nomes que andam escondidos pelo mundo fora. 


O que mais me agradou este ano foi a grande aposta em  termos de lançamentos em vinil, sendo que mais e mais labels tem apostado fazer lançamentos em vinil, o que mantém a cena ainda mais viva e física, sou cada vez menos adepto da cena digital. 


Sendo eu coleccionador de vinil e um amante do mundo dos discos, fico feliz por ver que o universo do vinil continua bem presente e parece que se vai manter por bastante tempo. 


TSD - Qual é o teu top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", etc) em 2015? 


RR - Bem, isto é uma questão um pouco complicada pois a selecção é tão vasta e a qualidade sonora é tão boa, que fica até complicado fazer um top 20. 


Mas indo pelo que me passa pela cabeça assim nomeio o meu top 5:


5º - Lion Charge : Egoless - Dub Heritage / Dub Dedication 

4º - System:Sound : V.I.V.E.K – Slippin / Square Off
3º - Deep Medi Musik : Goth-Trad -  Sinker / Sunbeam VIP
2º - Innamind Recordings : Ago - So Mi Seh / That´s What I Was Talking About Back in ´96
1º - Deep Medi Musik : Gantz & Commodo & Kahn - Volume One

TSD - O que esperas para 2016?


RR - Para 2016, já tenho algumas indicações de que o ano vai ser muito bom, muita boa música a ser editada e lançada.


Espero também o início de uma nova e óptima fase para a RealRoots, falo do nosso primeiro lançamento em vinil, que é um sonho de longa data.


Gostaria também que a cena tuga crescesse, vejo muita falta de apoio entre artistas, produtoras e labels, parece que se querem pisar uns aos outros e ser melhor que os outros… a cena em si já é bastante pequena, pelo qual devia-mos nos unir e elevar a bass music para outro patamar em Portugal, e com isso poder trazer mais e melhores artistas de fora, fazer mais festas...mas há um longo caminho pela frente. 


De resto esperamos e desejamos o melhor para todos vocês, umas óptimas entradas e que 2016 vos traga muitas alegrias e muitos dubs 


1 Love 

RealRoots Int´l

Os nossos segundos convidados são os activistas do Mais Baixo.

Take a step to Dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar?

Mais Baixo - Mais um ano a ouvir dizer “o Dubstep morreu”… por nós tudo bem, voltamos ao underground, onde devemos e queremos estar!

TSD - Qual é o teu top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", singles) em 2015? 

MB - 


Não há dúvida que Goth-Trad é dos nossos produtores favoritos, mas a "Sinker" é especial. Traz de volta o wobble com um toque bem fresh!  



Um Dub Techno bem ao estilo de Rhythm and Sound, viciante e introspectivo. 



Não há nada como uma boa cavalgada a 140bpm, e o nosso amigo JKenzo sabe a toda. 

 

O regresso de Addison Groove ao alias Headhunter após vários anos em hibernação... percy!


Steppa revolucionário! 

Menção honrosa: Kahn, Commodo e Gantz ¬ Volume 1. Nem é preciso dizer muito… estes 3 são os maiores [fritos] 

TSD - O que esperas para 2016? 

MB - Mala in Peru ? Ahah.. 

Mas agora a sério… esperamos ter o Mais Baixo Soundsystem (finalmente) finalizado!


O nosso terceiro analista chega do Porto e da pelo nome de 3WA

Take a step to Dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar?

3WA - Esta cada vez melhor e de boa saúde pois também lancei o meu primeiro Ep pela RealRoots, por isso foi um ano 5 estrelas.

TSD - Qual é o teu top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", etc) em 2015?

3WA - Complicated… mas aqui vai:

Epoch – Attraction Dub / No Dread
Goth Trad – Sinker / Sunbeam VIP
V.I.V.E.K – Square Off / Slippin
Moonstones - FKOFd023
Jack Sparrow - Hold & Pull

Commodo, Kahn & Gantz – Crystal Collect (tive que meter só esta tune, aquele 2 drop mata-me)

TSD - O que esperas para 2016? 

3WA - Um ano ainda melhor que 2015, pelo menos da minha parte; vou ter aí umas surpresas :)



Porque sem eles a cena não existia, para quarto convidado convidamos o André Filipe, que ira representar o espírito dos fãs que fazem andar o movimento para a frente. 

Take a step to Dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar? 

André - Sendo um destemido consumidor compulsivo e devoto admirador de todo o universo que engloba o Dubstep desde as suas raízes em Croydon na Big Apple Records até ao ano de 2009 nas suas vertentes mais deep, vindas mesmo do fundo do "Dungeon", nunca fui de todo capaz de abandonar este estilo e sonoridades, sendo estas o meu "benchmark" para tudo o resto que de novo apareceu a partir daí. 

Acho que, apesar de tudo, o universo do bass (mais propriamente do Dubstep) começa a mostrar sinais positivos depois de, finalmente, se desprender um pouco das teias e de toda a "confusão" gerada por volta de 2011 e 2012 com o aparecimento do "wannabe dubstep" ou "brostep". 

É como se tudo tivesse voltado à estaca "quase zero", como que se tivesse voltado de novo ao Underground e com tantos e tantos novos nomes novos a aparecer no mapa, e tantos outros nomes já conhecidos do público a voltarem a pegar-lhe nas sonoridades e influências, acho que foi certamente um ano positivo e que prevê uma nova base sólida para construir, daqui para a frente, uma nova página de história. 

Há que ainda referir os marcos importantes do acontecimento histórico DMZ#10 e a Deep Medi na Boiler Room! 

TSD - Qual é o teu top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", etc) em 2015? 

A - De entre tantos lançamentos, de entre tantos estilos e sonoridades apelativas mas completamente diferentes, é sempre complicado condensar todo um ano de incríveis lançamentos, em apenas 5 referências, mas aqui vai: 

1: Goth Trad - Sinker / Sunbeam Vip - Deep Medi Musik Medi089 
2: Tempa Allstars Vol 8 
3: Kode9 - "Nothing" - HYPCD003 (R.I.P. Spaceape) 
4: J:Kenzo - Urban Gorilla EP - Tempa 
5: LX One - Motions LP - Wheel & Deal Records 

Mensão honrosa ainda para o lançamento por conta própria do "Sombre LP" pelo Biome e o DJ Madd com o "Good Old Days"! 

TSD - O que esperas para 2016? 

A - Espero que o movimento continue a evoluir, com o aparecimento de novos mestres e que a cultura Dubplate volte em força (já sinto saudades da hype de ouvir ao vivo um bom dubplate a ser tocado em exclusivo, aka Badman VIP /I diom), que se continue a produzir com qualidade e que cada um siga o seu caminho e a sua sonoridade pois é incrível olharmos para o universo da bass music e vermos a diversidade de géneros e estilos que se criaram em torno de algo em comum... o BASS! 

Desejo ainda que o movimento em Portugal volte a crescer e que mais festas voltem a acontecer depois de, infelizmente, as coisas terem caído nos últimos 2-3 anos... 

Por fim, desejo e sonho com a re-união entre o Leon Switch e o Simon Shreeve, para voltarem a produzir mais umas malhas como Kryptic Minds!



O nosso quinto convidado chega de Londres via Cascais e da pelo nome de Freud

Take a step to dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar? 

Freud - O universo do bass tal como o universo normal está em constante crescimento, com novas estrelas a surgir todos os meses :)

TSD - Qual é o teu top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", etc) em 2015?

F - Top releases:

Dusty - Takeone Lp na Turbo Tape
Congi - Hard Boiled Ep na Mimm records
Juan Rios & Made in M - Sumergido Lp na Cota records
Kahn - Ova deh So na Deep medi
Silkie - Fractals pP na Anarchostar

TSD - O que esperas para 2016?

F - Para 2016 não sei bem o que esperar, mas gostava de ver as editoras a saírem um pouco da zona de conforte e releases ai com umas sonoridades diferentes.

Esta também na altura da Deep Medi mandar mais um Lp haha




O sexto convidado é o nosso velho conhecido Buster


Take a step to Dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar?

Buster - Ora bem na minha opinião, 2015 foi um ano positivo para a Bass Music em geral por várias razões.

A maior delas sem dúvida terá sido o retorno a sonoridades de raiz, no caso do Dubstep um afastamento dos sons mais EDM, que tinha vindo a acontecer nos últimos anos.

De a apontar também a explosão que o Grime teve em 2015, que de certa maneira fez com que o som ganhasse uma certa maturidade e em termos de produção, subisse de nível.

Voltando aos sons mais dentro do espectro 140, penso que em 2015 deparámo-nos também com uma maior diversificação do som, com artistas como Egoless, Digid, Ishan Sound mais virados para a sonoridades Dubwise e Steppa, ao mesmo tempo que artistas como Chord Marauders e Elefant Doc nos oferecem sonoridades mais Jazzy e Soul, isto sem esquecer claro nomes como Gantz, Kahn, Commodo, Las e Mikael que estão cada vez mais a levar o som para direcções novas e originais.

Outra coisa também que se notou sem dúvida em 2015, não só na Bass Music mas na música em geral, foi o aumento de lançamentos em vinil, que na minha opinião faz com que a qualidade da música suba também.

TSD - Qual é o teu top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", etc) em 2015?

B - Fica meio difícil para mim, reduzir a 5 os melhores lançamentos de 2015, mas ficam aqui alguns que me agradaram muito:

Numa Crew Dub - Searcher Ep (Monnshine Recordings)

Gantz, Commodo, Kahn - Volume I (Deep Medi)

Ishan Sound ft Rider - Shafique Lp (Hotline Recordings)

Killawatt - Emigre Lp (Osiris)

V/A - Deep Dub Inside (Dubtribu Records)

Versa - Rainfall Dub (System)

Digital Dub - Mammoth Ep (Lion Charge Records)

TSD - O que esperas para 2016?

B - Mais que tudo, quero que este som continue a evoluir e a surpreender-me quando o escuto.

Estou também bastante curioso e a dar atenção ao som mais virado para o Dub Techno, que acho que em 2016, terá mais destaque do que tem tido até agora.

Espero também que em 2016 o meu show Bassapaths continue a ter o suporte que tem tido e ainda mais ouvido que em 2015, já que a rádio onde o apresento, Reprezent Radio de Londres vai começar a ser emitida em DAB este ano.

Para finalizar, espero que o pessoal do Take a step to Dub continue a fazer o trabalho excelente que tem feito até aqui, na promoção e divulgação deste género musical.

Boas entradas e bom 2016 para tod@s.
Big ups!!!


Para fechar a nossa setima e ultima intervenção convidamos o pessoal da Substruct

Take a step to Dub - Como é que analisas o universo do bass no ano que esta agora a findar? 

Substruct - Todo o universo está em constante evolução, e o mundo da música não é excepção, temos gostado principalmente do facto de já não ser a "dubstep scene" e sim "bass music scene", demonstra uma maior maturidade ao dar abertura a novas sonoridades. 

Alguns produtores apostam na inovação, e para nós é sempre bem vindo.

TSD - Qual é o vosso top 5 em termos de lançamentos (álbuns, Ep, 12", etc) em 2015?

S - 1. Geode - Plankton Gravy, 
2. Commodo, Kahn, Gantz - Volume I 
3. Audialist - Square One
4. Occult & Audialist - Supa Hot
5. Craft - Into Sound 

TSD - O que esperam para 2016?

S - Para 2016 espero mais do mesmo, o que é bom, acho que o universo da bass music tem estado num bom caminho, esperamos ser um bom ano para o mundo da música em geral. 

Da nossa parte, podem esperar coisas novas, apenas iremos lançar LP's com os nossos artistas daqui em diante, e estamos a desenvolver a nossa própria estação de rádio online, que deverá arrancar no início de 2016.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Lurka regressa a Hotline


Já se encontra à venda com a chancela da Hotline Recordings, o novo 12" do Bristol finest Lurka

Passado quase três ano do lançamento de "Full Clip / BR Greaze", Lurka regressa a Hotline com dois cuts incríveis ("Ritual Dingers / Choke) de Industrial-Electro-Dub-Grime.


domingo, 20 de dezembro de 2015

Knowledge 237 - Planet Mu



"A vida espiritual dos homens, os seus impulsos profundos, o seu estímulo à ação são as coisas mais difíceis de prever, mas é justamente delas que depende a morte ou a salvação da humanidade." (Andrei Sakarov) 

Esta semana no Knowledge exploramos um pouco a historia da Planet Mu.




sábado, 19 de dezembro de 2015

Enigma Dubz regressa com The Journey So Far [Part 2]


Depois de ter lançado no inicio do ano o Lp "The Journey So Far", James Vine (mais conhecido por Enigma Dubz) volta carga para nos contar a segunda parte da sua epopeia.

Com 10 temas inéditos, "The Journey So Far [Part 2]" é a derradeira confirmação da versatilidade e talento do produtor de Birmingham, tendo chegado às lojas no passado dia 18 de Dezembro, pelas mãos da sua editora From the Vine.




sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Mindstep lança novo single “Golden” de Ill Chill


O mc oriundo de Los Angeles Ill Chill, lançou hoje o seu mais recente single "Golden", uma irresistível faixa impregnada pelo Hip hop e groove, que chegara as lojas com o selo da editora independente inglesa Mindstep


Produzido por Drew's Theory, o single conta ainda com a faixa "Light Years" e com o instrumental de de "Golden".

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Dubs Alive lança Chill Roots Volume 1


A editora de São Francisco Dubs Alive, fundada por Ric Baker (Bakir) e Daniel Karz-Wagman, acaba de lançar uma colectânea com pistas e remisturas de alguns dos artistas que constam do seu catálogo tais com Jazzsteppa, Mentha, Subtle Mind, Goosensei, entre outros. 


Carregada de texturas ricas, deep pads e elementos melódicos, "Chill Roots Volume 1" sussurra-nos subtilmente ao ouvido elementos relaxantes, sensuais e psicadélicos enquanto exerce uma força descomunal sobre o nosso corpo, fruto dos sub-graves.

domingo, 13 de dezembro de 2015

Knowledge 236 - Butterz



"A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento." 
(Platão) 

Esta semana recebemos no Knowledge o pessoal da Butterz.


sábado, 12 de dezembro de 2015

Nv 129 - Iilti


Depois de uma pequena passagem por Italia, os Nv viajam esta semana até a Finlandia, para conhecer um pouco melhor o misterioso Iilti.



sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Boomarm Nation & Sahel Sounds lançam Imidiwan N'assouf


E impossível não ficar em pulgas, quando ficamos a saber que a soundsystem pusher Boomarm Nation e a garimpeira Sahel Sounds, se preparam para lançar um exclusivo sound-system mix do hit "Imidiwan N'assouf" de Hama. 

Para os mais distraídos, Hama é um aclamado compositor e multi-instrumentistas do Níger, que tem vindo a transformar a musica Tuaregue com os seus sintetizadores amestrados, tendo em BOOMARM012 a sua musica contado com um tratamento dub por parte de Krucial Kuts (aka El Mahdy Jr. & Gulls).

Com lançamento previsto para o próximo dia 14 de Dezembro, "Imidiwan N'assouf" estará disponível em vinil de 10" carimbado a mão em capas de papel reciclado, bem como em formato digital.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

TSDcast 55 - Gaze Ill Entrevista + Mix


From Copenhagen to the TSDcast - Gaze Ill

Take a step to Dub - Hi Gaze Ill, how are you today? 

Gaze Ill  - Hi guys, I’m good, thanks for having me! 

TSD - So let’s begin at the beginning: when music started talking it you? 

G - Well, it all started at “my” beginning actually. Music has always been a big part of my father’s side of the family - my father plays the bass, and my grandfather played the piano travelling around Germany playing concerts. So I was influenced at a very young age - I started playing the drums when I was around three years old, and I’ve been playing various instruments for as long as I remember. 

TSD - Can you tell us what ignited the spark in you to start DJ-ing and producing? 

G - I started getting into producing around 2000, when I got a game for my Playstation called Music 2000. I would spend hours and days really making music on the Play Station, and as I didn’t own a computer back then, I had to record the final tracks onto cassette tapes. Things really started from there, production wise… I think it must have been around 2002 when a friend sorted out a computer with music software (DAW) for me, and things got a bit more real. Since then I’ve been so lucky to be able to invest in some proper gear for my home studio. 

The DJ side of things came along years after. I met Don D in 2008 who was a DJ and we started making beats together, and he introduced me to DJ-ing. I kinda did the reverse of the technology within the area. I started on one of those digital controllers, but quickly felt it was too easy (not trying to disrespect the people who like the controllers). So I moved on to mixing with CDs on analogue mixers, and then further moved on to mix with vinyl too. I love the real touch when mixing with analogue gear - the mixing depends more on your ears than on a computer screen showing you the waves of the track… that is of course a preference that varies from the individual person I guess. I might be liking the analogue approach due to my musical background. 

TSD - How did you get into Dubstep? And what was your response when you first heard this strange new inaccessible music? 

G - As I met my very good friend Dan (aka Don D) in 2008, he was always looking into new different urban, electronic genres, and he introduced me to Dubstep. I instantly loved it!! I listened to a lot of grime at that point, and Don D and I where making a lot of Hip Hop and grime beats back then.. It then turned into making Dubstep tracks. 

What got hold of me, was the modulating basslines and the very open creativity the genre had to offer - plus I’ve always had an enormous love for deep sub bass that’ll shake you good. And the magical tempo of 70/140bpm is just the finishing touch adding a tight and alive pulse. 

TSD - What motivated you to start Cue Line Records? 

G - Cue Line was launched in 2012 - Don D and myself where making music as the duo Skakes at the time. We found it hard to get in touch with labels as our network was like nothing. So we figured we might as well just go ahead and release it ourselves. 

From there we quickly gained a huge interest in releasing music, and we kept on with it. 

TSD - In your opinion what make Cue Line sound unique? And how as been the reactions to the "Warm Space Ep" of Shiva so far? 

G - I’ve often been told that the selection of music for the releases on Cue Line Records is quite tight. For me, I can feel the artists in the music. That’s important to me! I just think it’s important for musicians to have their heart with them in what they do, which makes you feel them throughout their music. Otherwise what’s the point..? 

The response on the ‘Warm Space EP’ has been very interesting so far. People’s favourites have been very varied from the title track ‘Warm Space’, to the collaborative ‘Mantra’ with Jobanti, to the Murk remix. That’s kinda the ideal feedback I think. Also Juno Download have given us great response through their many features and reviewing of it. 

TSD - Creating any art form often draw inspiration from life and environment. With the many outlets from which we can seek such inspiration, what inspires you to create the sound that you do? 

G - I don’t think anything really specific inspires me. However, I do think my brain works in a slightly higher tempo than other’s do. So there’re constantly things jumping around in my head - everything from drum grooves to sound designs or something third. These things and ideas often correlate at some point and I have to run to my music- workstation to get them into a project. I even had to create project templates to be able to access producing as quickly as possible, because when I start working on these ideas I might have to keep ideas for 16 different instrument-tracks in my head at once. However, I’d say that I mostly make my music from improvisation - meaning that one instrument tells me what the next instrument should play. 

This would probably origin from my many years of playing the drums and other instruments in various bands where I’d be writing music by jamming and improvising with the bands.. So it’s very hard for me to say what inspires me, because it all arises from what I can hear in my head. Not sure how it gets in there…. It mostly just comes from inside somewhere. 

Though sometimes if I walk by a construction site or so, some of the noises from the work in there might be sounding like a groove or create harmonies, and those sometimes inspire me. Luckily for me, I’ve got musical ears so I can determine harmonies when I hear them, and I used to study music theory so I can write the scores in my head and then remember it. 
Also the recording function on my cell phone is useful for humming melodies and stuff if I need to remember something quickly and don’t have the right mind set for memorizing a score, haha.. 

TSD - In partnership it RealRoots Int'l you are releasing the 10" "Silly Johnny-Dub / Mist". Could you give us an idea of where you were trying to take this piece of music from a technical viewpoint as well as its listener emotionally? 

G - I wouldn’t say that I really was specifically aiming at anything in regards of the forthcoming 10” vinyl on RealRoots Int’l. I don’t set up a framework for my sound or for what kind of music I want to make. It’s all completely up to my inspiration. So, wherever my inspiration takes me, I go. 

I started talking to Koppo the owner of RealRoots a few years back, and I’d regularly send him unreleased music to bring to his DJ gigs. He really liked ‘Silly Johnny-Dub’ and ‘Kill Dem With Vibes’, so we paired them up for a plate. Then later on the ‘Mist’ track came along - we both really felt it should be on the 10”. 

These three dub-wise tracks are three out of a whole bunch of tracks in this style - some more dub/reggae like than others. 

I like to keep my tracks to myself for some time before I choose to share them - this way I have the opportunity to figure out what I want to do with them, and if the quality meets my standards. 

That’s why these three tracks would probably be the first of this kind people hear from me. Basically the 10” vinyl is sounds from my mind, and following the split-artists 12” vinyl on Circle Vision earlier in 2015, I’m very excited to have this one being 100% Gaze. 

TSD - How would you describe the 140 scene in the Denmark today? 

G - Hmm… It’s not like there’s a huge scene for Dubstep in Denmark - it’s a small country (like 5-6 million people), and most people like other genres. 

The past year though, it seems the spark for Dubstep and underground electronic bass music has started burning again. 

There used to be a lot of events years back when bookers as the Danish pioneers OHOI! hosted a lot of events with big UK etc. artists. But there’ve been some quite dead years recently with almost nothing going on, or on the other hand almost no people at the events. It seems though, that people have started to be into this music again - RDG has done a lot with his regular Circle Vision parties in Copenhagen - great names as Kman, N-Type, Walsh, Sgt. Pokes plus many more have visited to play in 2015 - and it’s been fantastic to see that there’s been a lot of people at these events. 

Not to forget the Copenhagen crew Dubkultur who’s been hosting a fair amount of great bass events too with the latest being the wonderful Joe Nice’s 2nd visit in Copenhagen, and Eshone, Shiva, and myself incl. in November. 

TSD - You have a bi-weekly show on Rood Fm how did that come about? 

G - The RoodFM show is still quite new - it’s been going on for about 4-5 months’ time. 

I really do enjoy DJ-ing and I obviously like my own preferences in selecting music, so I wanted to be able to do this combined on a regular basis. So it seemed ideal to talk to the RoodFM crew to get a timeslot at the station. 

TSD - What producers within (or outside) of the bass music spectrum are making your ears prick up, so to speak? 

G - I’m a huge fan of the weird and abstract sound you’ll find on labels as Hessle Audio, 7even Recordings, and Apple Pips - a lot of brilliant artists on these labels. 

But I also listen to other kinds of music - hard to pick any specific names, but my musical preferences vary from electronic music to death metal to jazz… 

The only thing you probably wouldn’t find me listening to would be too commercial music. I’m not really into the commercial radio stuff - it’s just a bit noisy and boring I think.. It might sound like a cliché, but that’s just how it is.. 

TSD - What can we expect from you next? 

G - Well, obviously you can expect to see my 10” vinyl on RealRoots Int’l getting released. 

But I’ve got a few other things coming too. I feel bad for not being able to share more details, but I can say that you should keep an eye out in the record stores for sure. 

TSD - Can you take us through the mix you put together for us? 

G - Basically the mix is a showcase of music I enjoy - some things from myself, some unreleased and forthcoming stuff, and tracks I enjoy very much. 

TSD - Any musical guilty pleasures you're not afraid to share? 

G - Well, I do listen to a lot of different music. I’m very bad at mentioning specific names - I don’t even memorize titles for most tracks.. But mostly I listen to a varied selection of electronic music and various kinds of rock music. I like things widely in between stuff from Cobblestone Jazz to Sigur Rós… I guess that gives you no answer, haha sorry… 

TSD - Thank you for your time, any shout outs and special mentions? 

G - You’re most welcome, thank you for your time and interest in talking to me! 

I definitely want to give out a shout to my beautiful wife for putting up with all the strange and loud noises I make sometimes, a shout to my mate and label partner Don D, and a huge shout to RDG for the great, continuous support and back up. 

Also a thumb up to Koppo of RealRoots Int’l, Mentha, Syte, Cessman, K Man, Basspaths and the rest of you - you know who you are!

domingo, 6 de dezembro de 2015

Knowledge 235 - Nomine



"Só sabemos com exactidão quando sabemos pouco; à medida que vamos adquirindo conhecimentos, instala-se a dúvida." 
(Johann Goethe) 

Para o Knowledge de hoje, convidamos o Nomine para partilhar connosco, alguns dos seus segredos em termos de produção e deixar umas dicas.






sábado, 5 de dezembro de 2015

J:Kenzo lança Intalek / Revan


É impossível ficar indiferente à qualidade superlativa evidenciada edição após edição por J:Kenzo!

A poucos dias de assinar o décimo nono lançamento da sua Artikal, com o duplo-single "Intalek / Revan", J Kenzo vem provar mais uma vez que a sua musica não tens barreiras e que acima de tudo é o bass que corre nas suas veias.

"Intalek / Revan" estará disponível em vinil de 10" e em formato digital.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Digid & Squarewave lançam Ep via Moonshine


Por vezes há encontros assim... Digid & Squarewave - Rooftop Stepper Ep 

Nascido da parceria entre o dubber belga Digid e do inglês Squarewave, "Rooftop Stepper" chega hoje as lojas com o selo da Moonshine Recordings, e chama a si uma visão muito particular do que será o dub no futuro. 

Disponível tanto em vinil de 12" como em formato digital, "Rooftop Stepper Ep" pode ser catalogado algo como digi-techy-instrumental dub.